Estudo feito pela Pluri Consultoria aponta que dois clubes brasileiros lideram o ranking de maior receita do continente em 2018. Palmeiras e Flamengo estão na frente de uma lista de 60 agremiações. Em relação a 2017, quando o Flamengo liderava a lista, o Top 60 das Américas cresceu 16%.  Os 60 clubes somados atingiram a receita de US$ 3,6 bilhões em 2018. O Palmeiras, campeão brasileiro de 2018, assumiu o posto de clube de maior entrada de dinheiro em caixa nas Américas. Suas receitas totais foram de US$ 179 milhões, com crescimento de 13% em relação a 2017. Dado o desempenho rubro-negro em 2019, tudo indica que o campeão brasileiro e das Américas retomará o primeiro lugar.

Em 2018, os ganhos do alviverde foram 20% maiores que o do Flamengo, 2º colocado no ranking com US$ 149 milhões. Na terceira posição vem o mexicano Chivas Guadalajara com US$ 131 milhões. Em seguida, aparecem os brasileiros Corinthians e São Paulo, que faturaram US$ 130 milhões e 116 milhões, respectivamente. O melhor argentino da lista é o Boca Juniors, com US$ 115 milhões. Campeão da Libertadores de 2018 – e vice em 2019 – o River Plate somou US$ 110 milhões.

Atraso de 19 anos em relação à Europa

O relatório “Gigantes das Américas” foi elaborado pela empresa especializada em gestão de finanças e consultoria de marketing. A Pluri visa a profissionalização dos clubes e o desenvolvimento de negócios no segmento futebolístico. O estudo foi baseado na análise de mais de uma centena de balanços anuais – incluindo a compra e venda de atletas. Os valores foram convertidos das moedas originais de cada país para o dólar norte-americano.

O estudo revela ainda um atraso de 19 anos em relação ao continente europeu. Somente agora os clubes americanos atingiram o patamar financeiro obtido na Europa em 1999.

Com 19 clubes no ranking, o Brasil lidera a lista com receita de US$ 1,417 bi. Em segundo vem o México (com 13 agremiações e US$ 785 milhões), os EUA (16 clubes e US$ 657 mi) e a Argentina (oito agremiações e US$ 552 mi). Apesar da quarta colocação, os argentinos se destacam nesta lista. Três das cinco maiores evoluções de receita em 2018 vêm dos clubes Vélez Sarsfield (99%), Racing (89%) e Independiente (85%). E mais, abrigando seis clubes, Buenos Aires é a cidade com maior faturamento: US$ 505 milhões, deixando São Paulo em segundo – com três clubes – e US$ 425 milhões, e em terceiro, o Rio de Janeiro – com seus quatro clubes – e US$ 351 milhões.

Importante destacar que os clubes brasileiros foram em parte prejudicados pela valorização de 14,5% do dólar sobre o real entre os dois últimos anos pesquisados. Mais impactados ainda foram os argentinos, cuja moeda sofreu desvalorização de 23,2%.

Apesar da relevante concentração de capital, a diferença entre o faturamento do primeiro colocado e do 60º diminuiu de 2017 para 2018. O Flamengo, líder do ranking de 2017, apresentava faturamento 12 vezes maior que o 60º, o colombiano Júnior. Em 2018, a proporção caiu para oito vezes, diferença entre a receita do Palmeiras, líder do ranking, e a da Chapecoense, sexagésima da lista. Além de Palmeiras e Flamengo, integram o ranking de clubes brasileiros:

4º Corinthians US$ 130 milhões

5º São Paulo US$ 116 milhões

8º Grêmio US$ 110 milhões

9º Cruzeiro US$ 105 milhões

12º Fluminense US$ 81 milhões

14º Internacional US$ 80 milhões

17º Vasco US$ 71 milhões

18º Atlético MG US$ 71 milhões

23º Santos US$ 60 milhões

24º Athletico PR US$ 54 milhões

27º Botafogo US$ 50 milhões

43º Bahia US$ 37milhões

50º Sport US$ 28 milhões

51º Coritiba US$ 28 milhões

54º Vitória US$ 24 milhões

59º Goiás US$ 22 milhões

60º Chapecoense US$ 22 milhões