Por Francisco Carlos de Assis, para Isto É Dinheiro

“A indústria abriu mão do planejamento de médio e longo prazos para focar suas ações no curto prazo no que diz respeito a investimento, aumento da produção e contratação de pessoal. É o que mostra a Sondagem Industrial de novembro, realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Para o coordenador da sondagem, Aloísio Campelo, essa decisão da indústria foi tomada com base no cenário de incertezas provocado pela crise financeira internacional.” (…)

Leia matéria na íntegra no site da Isto É Dinheiro.