Por uma cidade mais arborizada e amena

Editorial de 27/12/2012, Jornal Terceira Via

Por Claudio Carneiro

Recente pesquisa do IBGE, baseada nos dados do Censo 2010, apontou Campo Grande (MS) como a cidade mais arborizada do país. O estudo contempla somente as metrópoles com mais de um milhão de habitantes, fato que deixaria Campos dos Goytacazes – com seus 463.731 habitantes, pelo mesmo recenseamento – fora da amostragem. Completam a lista das cinco mais: Goiânia, Campinas, Belo Horizonte e Porto Alegre.

Ocorre que não é preciso ser nenhum especialista em meio ambiente, nem se comete qualquer injustiça ao constatar, que Campos dos Goytacazes está entre os municípios mais pelados do Sudeste – e também entre os mais quentes. Até mesmo os bairros Jardim Flamboyant, Caju, Horto – e vários outros que receberam a denominação de “parques” – carecem de maior arborização. Árvores e mata nativa foram cortadas para dar lugar, por exemplo, ao monumento de concreto armado batizado de Cepop. Comparando com fotos antigas, tem-se a sensação de que a Praça São Salvador foi devastada. Nas ruas do Centro, é difícil encontrar a sombrinha de uma árvore para aliviar o calorão destes dias. Longos trechos da Avenida 28 de março, por exemplo, parecem mostruários de mobiliário urbano – como pontos de ônibus sob sol a pino – além do concreto e ferro utilizados para fazer uma ciclovia desprovida de arbusto ou sombra. Justiça se faça: o trecho final da 28 de março (após o campo do Americano) é arborizado e tratado.

Além do conforto e da beleza – ou mesmo dos benefícios do extrativismo racional – as árvores se caracterizam ainda pela preservação da vida silvestre e de plantas, retiram poluentes do ar, influenciam diretamente no clima e têm ainda um valor simbólico importante. Sociólogos e estudiosos consideram a função social de uma árvore. Elas transmitem a sensação de justiça ao cidadão, afinal, é nelas que animais mais fracos de refugiam de seus predadores e, pasme, foi também ali – nos troncos ou no alto dos galhos – que foram cumpridas diversas sentenças de morte ao longo da História.

É admirada no mundo inteiro a dupla fileira de árvores que tornou famosa a Avenida Champs-Élysées, em Paris. Mas saindo do aspecto turístico e indo para o lado prático, há diversas empresas que vendem mudas de árvores. As compras no atacado – acima de cinco mil mudas – custam em média R$ 1 por unidade. São árvores lindas e decorativas como o ipê amarelo do cerrado, louveira (característica da Mata Atlântica), mimosa bimucronata ou maricá (que além de ser local, tem indicações medicinais e oferece boa sombra), e ainda as frutíferas: ingás, jabuticaba sabará, jaracatia, jurubeba, mutambo, pitanga ou de madeiras nobres: jatobá, marmelo do campo, mutre, olho de pavão (com ótima sombra e linda ervilha vermelha), pau ferro (com generosa sombra) e pessegueiro bravo (árvore frondosa com belas flores).

Fica a sugestão para dias mais frescos e agradáveis.

=> Acesse em www.jornalterceiravia.com.br

Mais um serviço da Clio: planejamento editorial

Em linha com o business plan de novos veículos de comunicação online, fazemos o planejamento editorial, com definição de equipe, rotinas de trabalho, manual de redação, treinamento de pessoal e desenho de linha editorial.

Inflação em 2013 não será o fim do mundo, nem do Brasil

Editorial do Jornal Terceira Via, 21/12/2012

Por Claudio Carneiro

Confiantes de que todos sobreviveremos até depois de meia-noite, já é hora de fazer planos, previsões e ajustes para 2013. Instituições como Banco Central, IBGE e FGV não usam búzios ou bolas de cristal mas já projetam cenários de inflação alta – pelo menos no primeiro trimestre.

Preocupada em baixar a conta de luz, a presidente Dilma Rousseff não se importa, no entanto, com os preços dos combustíveis tampouco com a perspectiva de 0,75% de inflação logo no primeiro mês do ano.

O país vive ainda um certo otimismo quanto ao futuro mas ninguém mantém um sorriso no rosto depois de cinco trimestres de retrações consecutivas do PIB. E não se engane, o país crescerá ainda menos no ano que se aproxima. Mas isso também não será o final dos tempos nem o início de um novo ciclo.

Inflação, crescimento e emprego são os ingredientes da difícil receita de equilíbrio da Economia de Dona Dilma e do italiano Guido Mantega. A presidente sabe que, mais uma vez, ficará acima do centro da meta de inflação de 4,5%. Mas seus economistas – e os outros – apostam suas fichas e suas cartas de tarô na estabilidade ou, no máximo, num saldo positivo do emprego.

E o desempenho da Economia brasileira em 2013 assim será, mesmo que mais fraco que o ano que insistiu em contrariar algumas previsões – inclusive a dos maias.

Acesse o Jornal Terceira Via

Mais um serviço da Clio: media training e palestras

Oferecemos palestras sobre temas relacionados à atuação da Clio (geração de conteúdo e assessoria de imprensa), em qualquer lugar do Brasil, com apresentação personalizada para cada público.

A furiosa falta de patriotismo dos parlamentares brasileiros

Editorial Jornal Terceira Via, 19/12/2012

Por Claudio Carneiro

Nunca antes na História desse país o Judiciário e o Legislativo estiveram tão conflagrados. Não bastasse a iniciativa do Supremo Tribunal Federal determinando à Câmara dos deputados a subordinação e a cassação dos mandatos dos parlamentares criminosos e condenados João Paulo Cunha (PT/SP), Valdemar Costa Neto (PR/SP) e Pedro Henry (PP/MT), as duas casas têm outra importante questão a conferir.

Os royalties do petróleo – que fragmentaram o país e também os partidos por diferentes interesses – prometem desdobramentos traumáticos à ordem constitucional. O ministro do Supremo Luiz Fux acolheu liminar contra a análise de urgência na lei dos royalties, fato que a colocaria no final da fila de mais de três mil vetos presidenciais em análise no poder Legislativo.

Os líderes de partidos e integrantes da Mesa do Congresso – em fúria – decidiram dar uma resposta regimental ao STF e votar em bloco os exatos 3.059 vetos existentes. A sociedade assiste estarrecida a esta desobediência à Constituição e o desrespeito às instituições. Deputados e senadores promovem um golpe de estado numa total demonstração de falta de patriotismo.

Estes são os mesmos parlamentares que, após oito meses de investigação da CPI do Cachoeira, não propuseram o indiciamento de nenhum dos investigados pela comissão parlamentar. A única providência concreta do parecer, com apenas duas páginas, será encaminhar as conclusões da apuração para a Polícia Federal e para o Ministério Público Federal. Quase um atestado de incompetência.

Se não couber à própria Justiça julgar tamanha anarquia, a História o fará.

Clique aqui para acessar o Jornal Terceira Via.

Mais um serviço da Clio: assessoria de imprensa

A sua história pode virar notícia. Essa é a função da assessoria de imprensa. Hoje, é uma das ferramentas mais poderosas de um plano de comunicação. A geração de mídia espontânea traz credibilidade e força à sua marca. Atuamos em todas as etapas deste serviço: planejamento, identificação de fatos relevantes, geração de notícia, redação de press release, produção de press kits, relacionamento com a imprensa, apoio em eventos e entrevistas, follow-up com os veículos e jornalistas, acompanhamento de resultados via clipping, geração de relatórios.

O autodiagnosticado fim do império norte-americano

Editorial do Jornal Terceira Via, 13/12/2012, por Claudio Carneiro

Quando experimentou o seu auge, o Império Romano controlava uma extensão de 6,5 milhões de km². Hoje, a Itália é uma bota de 301 338 km². Séculos depois, já eram os portugueses e espanhóis que conquistavam continentes inteiros. Um dos países do novo mundo – os Estados Unidos – se transformaria na maior potência mundial no século 20 e no início do século 21. Mas nenhum império é eterno. (…)

Leia o texto na íntergra em www.jornalterceiravia.com.br

Mais um serviço da Clio: Conteúdo para publicações impressas e corporativas

Em projetos editoriais – como guias para consulta, livros e relatórios anuais – oferecemos o conteúdo adequado ao orçamento e ao estilo da sua empresa. Trabalhamos de várias formas: definição de temas e redação completa; edição e adaptação de textos; orientação textual e criativa com base em conteúdo oferecido pelo cliente; revisão

A informalidade nos subterrâneos da Economia

Por Claudio Carneiro, para Jornal Terceira Via, 12/12/2012

A Fundação Getulio Vargas e o Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (Etco) preferem chamar de economia subterrânea o que conhecemos como economia informal. Entende-se por economia subterrânea a atividade de trabalho que está à margem da formalidade, sem firma registrada, sem nota fiscal, sem empregos registrados, sem recolhimento de impostos e não informada ao poder público. (…)

Leia o Editorial na íntegra no Jornal Terceira Via.

Mais um serviço da Clio: Artigos para websites e veículos de comunicação

Publicamos regularmente artigos em websites no Brasil e podemos gerar conteúdo (artigos, colunas, entrevistas) por demanda para veículos de imprensa fora dos grandes centros e que não possuam correspondentes no Rio de Janeiro.