Brasil Econômico: “Empresas reinventam marcas com branding”

Por Thais  Moreira, para Brasil Econômico

“Mudanças no cenário econômico e incorporação de novos contingentes de consumidores ao mercado exigem que médias e grandes empresas revejam seus conceitos.

Até alguns anos atrás, a visão predominante no mercado era de que produtos tangíveis e de qualidade eram vendidos por si só.

A mudança de perfil dos consumidores, a partir da incorporação de novos contingentes de compradores em potencial, mostra um cenário diferente: a sociedade está cada vez mais exigente, e as companhias têm um grande desafio pela frente: o de se reinventar.

Foi a partir dessa constatação que surgiu e se expandiu o branding, estratégia de reposicionamento utilizada tanto por médias empresas como pelas grandes corporações.

“Hoje em dia a preocupação das empresas não se limita apenas aos preços de seus produtos e à governança corporativa. Elas devem administrar os valores que a marca transmite para a sociedade”, afirma Andrea Janer, sócia da Redondo Design, consultoria de estratégia de marcas. (…)”

Leia matéria na íntegra no site do Brasil Econômico.

Jornal Hoje: “Pesquisa aponta que roupas estão mais caras nesse fim de ano”

Uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas mostra que a roupa infantil está 12% mais cara, quase o dobro da inflação medida pelo IBGE. As roupas masculinas subiram 8% e as femininas 7%.

Assista a matéria do Jornal Hoje, da Rede Globo.

Valor: “Economista da FGV não vê crescimento expressivo em 2012″

Por Marta Nogueira, para Valor

“O coordenador de análises econômicas do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), Salomão Quadros, não acredita em um crescimento tão expressivo da economia para o ano que vem.

“O governo acha que a crise externa vai influenciar uma redução aqui também e está tentando fortalecer o consumo para o ano que vem”, destacou Quadros. (…)”

Leia matéria na íntegra no site Valor online.

Estadão: “Confiança do setor de serviços cai 0,6% em novembro”

Por Mônica Ciarelli, da Agência Estado

“O Índice de Confiança de Serviços (ICS) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) recuou 0,6% entre outubro e novembro, ao passar de 129,7 para 128,9 pontos. Essa é a quarta queda consecutiva, o que, segundo a FGV, confirma “a suave desaceleração da atividade no setor.” Com o resultado, o índice já acumula perda de 2,8% entre julho e novembro. Na comparação com novembro de 2010, o ICS apresenta um recuo de 2,2%. (…)”

Leia texto na íntegra no site Estadão.com.

O Globo: “Brasil começa a ter destaque na rota de lançamento de gigantes como Apple, Google e Amazon”

“Se os maias estiverem errados e o mundo não acabar, 2012 será um ano tecnológico diferente para o Brasil. Quem observa o segmento tech tem a impressão que, “de repente”, várias empresas do ramo passaram a se interessar pelo país. Companhias que nunca deram bola para nosso mercado estão se apressando em fincar pé aqui. Amazon, Apple, Google, LinkedIn, Netflix e produtoras de videogames são exemplos dessa corrida pelo consumidor brasileiro. Segundo economistas, o destaque do Brasil na rota das empresas é explicado, entre outros fatores, pelo vasto mercado interno, com acesso a crédito. O cenário pessimista nas economias centrais também acaba desviando a munição para o Brasil. (…)”

Leia mais sobre esse assunto – e os comentários de Lia Valls e Armando Castelar, da FGV, para a matéria – em http://oglobo.globo.com/tecnologia/brasil-comeca-ter-destaque-na-rota-de-lancamentos-de-gigantes-como-apple-google-amazon-3382991#ixzz1ffO9c8oE

O mundo em crise: mas não cai a ficha nem a pose

Por Claudio Carneiro, para o site Opinião e Notícia

“Black Friday, Cyber Monday, décimo terceiro salário, liquidações, muito consumo e nada de poupança. Nem parece que o mundo vive uma crise econômica à beira de grave recessão. As incertezas apontam para os Estados Unidos e para a Europa – considerados os blocos mais ricos do planeta. O número de sem-teto em Atenas cresceu 25% desde 2008. Assim como nas principais capitais brasileiras, a população de rua aumenta na Grécia, na Itália e na França. Dormem-se nas calçadas e debaixo de viadutos, esticando-se uma folha de papelão e usando um cobertor para espantar o frio. Em Paris, são cada vez mais numerosos os homens ajoelhados nas calçadas exibindo a plaquinha “Eu tenho fome”.” (…)

Leia texto na íntegra no site Opinião e Notícia.

Isto É Dinheiro: “FGV: indústria desistiu do planejamento de longo prazo”

Por Francisco Carlos de Assis, para Isto É Dinheiro

“A indústria abriu mão do planejamento de médio e longo prazos para focar suas ações no curto prazo no que diz respeito a investimento, aumento da produção e contratação de pessoal. É o que mostra a Sondagem Industrial de novembro, realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Para o coordenador da sondagem, Aloísio Campelo, essa decisão da indústria foi tomada com base no cenário de incertezas provocado pela crise financeira internacional.” (…)

Leia matéria na íntegra no site da Isto É Dinheiro.