Índice de Percepção da Presença do Estado medido pela FGV aumenta depois das UPPs

Moradores dão notas melhores para igualdade, justiça, segurança e inclusão.

Assista nas matérias da TV Globo e da Globo News.

Conheça hoje os esportes que você verá em 2016

Badminton, golfe e rugby são alguns dos esportes que prometem ser destaques nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. Por Claudio Carneiro, para o site Opinião e Notícia.

“Os Jogos Olímpicos sempre reservam surpresas para o público. Certas provas revelam esportes estranhos à nossa cultura mas que despertam interesse e curiosidade. Foi assim que nos apaixonamos – nas Olimpíadas de inverno de 2010 – pelo curling, aquele jogo coletivo disputado em uma pista de gelo onde o objetivo é lançar – deslizando – pedras de granito o mais próximo possível de um alvo, utilizando para isso a ajuda de atletas equipados com vassourinhas. Curioso é que alguns desses esportes já têm até suas associações no país.

Dizem os fãs da escritora J.K.Rowling que o Quadribol, esporte dos bruxos na série Harry Potter, é inspirado nas regras de rugby, basquete, futebol e futebol americano, com o auxílio do meio de transporte da categoria: a vassoura. A combinação de dois ou mais esportes, ou sua adaptação para outro território, pode resultar em outras modalidades como o futevôlei, por exemplo, ou nos deixar confusos diante da tela de TV: “afinal, o que está sendo exibido é rugby ou futebol americano? E qual é a diferença entre o softball e o baseball?”

A primeira vez que o mundo moderno assistiu, por exemplo, a uma partida de badminton, foi nos Jogos Olímpicos de 1974, em Munique, como esporte de demonstração. Reconhecida a relevância do jogo pelo Comitê Olímpico Internacional, o badminton passou a valer medalhas nos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992. A popularidade do esporte – principalmente na Ásia – foi comprovada quando 1,1 bilhão de pessoas assistiram aos oito dias de competição na televisão. Nascido na Grécia Antiga, o jogo ressurgiu na Índia no século 19 com o nome de “Poona” sendo levado pelos colonizadores para a Inglaterra. Daí o nome badminton – a propriedade em Gloucestershire onde os ingleses despertaram para esta nova paixão – um misto de vôlei, tênis e peteca, se é que isso é possível. Lembra o vôlei porque tem uma rede no meio da quadra. O tênis, pois se usam raquetes. Já a “bola” é uma pequena e leve peteca. Os jogos duram, em média 45 minutos e são disputados em games de 21 pontos. O vencedor é o que ganhar primeiro dois games. Se houver empate no game em 20 pontos, vencerá aquele que abrir dois de vantagem. Havendo empate até os 29, vencerá aquele que fizer primeiro os 30 pontos…”

Leia na íntegra aqui.

A vida no Alemão

Publicado hoje na coluna do Ancelmo Gois, do jornal O Globo: A FGV ouviu 1.200 moradores do Morro do Alemão para uma nova rodada da pesquisa em que afere o Índice de Percepção da Presença no Estado em algumas regiões. No Alemão, depois da UPP e do PAC, subiu de 38 para 55 a nota dos moradores para os espaços de lazer na favela. (…)

Leia na íntegra aqui.

O Índice de Clima Econômico é positivo em seis dos 18 países da Sondagem da América Latina da FGV.

Publicado hoje na coluna Negócios & cia, de Flávia Oliveira, no jornal O Globo.

Veja aqui.

Crianças da Rocinha ganham 500 livros de parceiros de rede social

As crianças da Escola Municipal Rinaldo De Lamare, na Rocinha, na zona sul da cidade ganharam, na manhã desta quarta-feira (16 de fevereiro), 500 títulos infantojuvenis – doados por diversas editoras – em cerimônia que contou com a presença da sub-secretária de ensino do Rio de Janeiro, Helena Bomeny, do curador do prêmio Jabuti José Luiz Goldfarb e da diretora da rede social O Livreiro, Verena Petitinga. Entre os livros, título de autores como Érico Veríssimo, Lygia Bojunga, além de diversas histórias infantis como as Princesas Disney e a coleção Baby Einstein.

A ação foi o “gran finale” de um concurso cultural promovido pela rede social O Livreiro – dedicada ao público leitor – para presentear com dois iPads a melhor história sobre o tema “Melhor Amigo”.  A iniciativa contou com mais de 2500 internautas que, além de escrever, indicaram a escola que deveria ganhar os livros novos de editoras parceiras. A Escola Municipal Rinaldo De Lamare ficou com 677 votos dos participantes.

Helena Bomeny destacou a importância do livro na formação das crianças: “Não adianta ter salas de aula sem livros adequados”, lembrou. Goldfarb revelou a expectativa de que “cada criança se apegue aos livros como formadores de sua cidadania e que mantenha o interesse pela leitura”. Verena Petitinga disse que ali representava os 130 mil integrantes da rede social: “Todos temos o grande compromisso de não viver apenas o mundo virtual, mas de promover as transformações que o mundo físico e real tanto precisa. Essa biblioteca premia o trabalho de todos os que se envolveram nesse projeto”, afirmou.

O Vitrola News – que conta com conteúdo gerado pela Clio – foi escolhido blog do dia pelo site português PaperBlog.

O mercado negro do autógrafo

Por Claudio Carneiro, para Vitrola News, publicado no PaperBlog

Assinar o nome artístico em uma folha de papel e entregá-la ao fã não é mais um gesto inocente de simpatia e gratidão. O autógrafo virou negócio na internet e envolve um grande mercado no qual não faltam falsificadores, compradores, leiloeiros e mercenários. A coisa funciona mesmo como um grande negócio: envolve valor agregado, falsificação, licenciamento e lucro. Estima-se que somente os artigos assinados por esportistas movimentem US$ 4 bilhões anuais. (…)

Leia na íntegra aqui.

Consumir produtos na praia ficou mais caro

Confira na matéria do Jornal Hoje, da TV Globo, com participação do economista André Braz, da FGV.

Acesse aqui.

Crise no futebol

Experiente na gestão de crises, assessor de imprensa Claudio Carneiro fala na Rádio Globo sobre a péssima fase do Vasco da Gama e os caminhos para solucioná-la.

Claudio Carneiro – Entrevista para Rádio Globo

Clio Assessoria passa a gerar conteúdo para site Tubaínas e Afins

A redação da Clio Assessoria está a todo vapor. Além de produzir conteúdos para variadas editorias – economia, publicidade, educação, internet, comportamento, pesquisa histórica, entre outros – estamos produzindo agora textos para o site Tubaínas e Afins. O site, dedicado ao grande universo que envolve o mercado de refrigerantes, conta agora com nossos grandes goles de informação.

Acesse o Tubaínas e Afins aqui.

Índice de Confiança em Serviços cai em janeiro, mostra FGV

Por Uol

Após o ligeiro aumento verificado em dezembro de 2010, o otimismo do setor de serviços voltou a perder força neste início de ano. O Índice de Confiança de Serviços (ICS), da Fundação Getulio Vargas (FGV), passou de 132,2 pontos no fim do ano passado para 128,2 pontos em janeiro deste calendário. O patamar é o mais baixo desde outubro de 2009 (126 pontos).
A diminuição do indicador foi influenciada pela avaliação desfavorável em relação ao momento presente. O Índice da Situação Atual reduziu-se expressivamente, de 128,9 pontos para 113,2 pontos, o menor nível desde fevereiro de 2010. Para a FGV, foi um movimento sazonal de início de ano. (…)

Leia a matéria na íntegra aqui.